Uêba - Os Melhores Links

domingo, 26 de setembro de 2010

Vírus: de que são formados e como agem

Apomorfias,sinapormofias,plesiomorfias e simplesiomorfias

Apomorfias: características atuais que são derivadas de características primitivas de uma espécie ancestral. 

Sinapomorfias: o prefixo "sin" indica que uma determinada apomorfia é compartilhada por um determinado  grupo. Ex.: as mamas nos mamíferos. 

Plesiomorfias:  são características primitivas. Ex.: a ausência de coluna vertebral nos vertebrados é uma característica plesiomórfica, enquanto que a presença é uma característica apomórfica


Simplesiomorfias: São características plesiomorficas compartilhadas por dois ou mais grupos. Ex.: A presença de cinco dedos nos humanos e nos lagartos é uma característica simplesiomórfica, pois é compartilhada por ambos e por seus antepassados. 

Autapomorfias nada mais é do que uma apomorfia, ou seja um caracter atual presente em apenas um táxon dentro de um grande agrupamento. Ex.: asas nos morcegos. A existência de asa é compartilhada entre os morcegos (autapomorfia) mas, não entre os morcegos e os mamíferos, apesar dele ser um mamífero. 

Explicações e implicações:  o ancestral dos vertebrados era um animal invertebrado ok... se a presença de coluna vertebral é uma apomorfia ou pode dizer sinapomorfia (característica atual compartilhada entre grupos de vertebrados atuais), quando falamos de características atuais derivadas estamos falando de apomorfias, a palavra "derivadas" quer dizer que derivou (e portanto, já não é mais igual ficou diferente) de uma característica que existia, ou seja, uma característica ancestral . Quando uma característica é primitiva, ou seja, existiu no passado (no ancestral) e, que às vezes nem existe mais no grupo atual ela é chamada de característica plesiomórfica. Então a ausência da coluna vertebral nos vertebrados é uma característica plesiomórfica, NÃO SIMPLESIOMÓRFICA, se a característica compartilhada existiu nos ancestrais e existe ainda nos grupos atuais ai SIM! SIMPLESIOMÓRFICA.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Inquilinismo

   O inquilinismo é um tipo de relação ecológica interespecífica entre dois organismo, apenas um sai beneficiado, mas o outro não sofre dano algum. Diferencia do Comensalismo propriamente dito, porque neste um organismo se relaciona com outro para obter alimento, já no inquilinismo o objetivo principal é a proteção e/ou moradia.  A designação usada para relações desse tipo entre plantas é epifitismo. Por exemplo: bromélias que vivem sobre árvores (o objetivo central das bromélias é captar os raios solares).
Fonte:http://escola.britannica.com.br/assembly/134026/O-caranguejo-ermitao-tambem-conhecido-como-bernardo-eremita-e-um


     Em animais também ocorre o inquilismo o exemplo mais conhecido é a relação entre o pepino-do-mar e o peixe agulha ou fieraster, o fieraster esconde-se na cavidade abdominal do pepino-do-mar que por sua vez perdeu parte das vísceras para despistar  um predador que se aproximava. O fieraster se esconde dentro do pepino para poder ficar protegido de predadores, o peixe não causa  nenhum dano ao Echinodermata (o pepino-do-mar) e o Echinodermata serve de abrigo temporário para o peixe. 
     A foto acima, o caranguejo-ermitão ou bernardo-eremita também é um caso de inquilinismo, no qual o caranguejo "vivo" se apossa da concha de um molusco gastrópode que morreu.  Esse exemplo corrobora aquilo que eu havia descrito no início do texto, quando diferenciei Inquilinismo de Comensalismo, como o nome diz inquilinismo vem de inquilino que remete a moradia, abrigo; e não a alimento, esse pequeno crustáceo, apesar de possuir um exoesqueleto se abriga na concha do gastrópode, estrutura mais rígida e eficaz contra a ação de predadores.



Comensalismo

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Mutualismo, simbiose e protocooperação

    Mutualismo: a própria palavra já diz tudo mútua, ou seja, todo mundo sai ganhando. Um exemplo bem amplo é a relação dos insetos polinizadores e as plantas com flores, o inseto coleta o néctar e de quebra leva o pólen junto ao corpo e quando vai coletar o néctar de outra planta da mesma espécie derruba sem intenção alguma o pólen e assim ocorre a fertilização de grande parte das plantas com flores (foto abaixo).


mutualismo entre insetos e plantas

Fonte:http://www.nutricion-dietas.com/2010/04/25/salud/propiedades-de-la-miel-de-abeja/

     Não há uma diferença bem estabelecida, nesses três tipos de relação ecológica todos os indivíduos envolvidos são beneficiados com a relação. A protocooperação fica fácil de diferenciar da simbiose, pois nela os indivíduos vivem uma relação íntima que ambos são beneficiados, mas não é uma relação obrigatória, alguns autores descrevem a protocooperação como mutualismo facultativo. Exemplo: o bernardo-eremita (um caranguejo) e a anêmona-do-mar, a anêmona protege o crustáceo de ataques de predadores, em troca ela pega uma carona na concha de um molusco e que foi adquirida pelo caranguejo, dessa forma ela tem mais chances de obter alimentos do que se ficar fixa no substrato. Já na simbiose  um necessita do outro para sobreviverem. Como é o caso dos liquens que há uma associação de fungos e algas (alguns autores descrevem esse tipo de relação como  mutualismo obrigatório). O fungo protege e cede alimento para a alga que por sua vez agora pode captar os raios solares e fabricar seu alimento e dividir com o fungo.

Explicações e implicações:
simbiose ou mutualismo obrigatório = relação interespecífica benéfica, permanente para ambos envolvidos e muito íntima podendo um estar dentro do outro; caso do cupim e dos protozoários que quebram a celulose dentro do intestino desse inseto.
Protocooperação ou mutualismo facultativo = relação interespecífica benéfica para ambos envolvidos, no entanto não é obrigatória.

Inquilinismo

Comensalismo






Comensalismo

     Comensalismo é uma relação ecológica, na qual  o organismo comensal  vive em contato íntimo com o outro, para obter seu alimento. Todavia nem causa e nem tem potencial de causar dano ao seu hospedeiro, ou seja, há um relação harmônica interespecífica entre comensal e hospedeiro.

Fonte: http://kids.britannica.com/comptons/art-108155/In-a-commensal-relationship-one-organism-benefits-while-the-other

     O comensal ganha o alimento e o hospedeiro não ganha nada, mas não é prejudicado. Um exemplo de comensalismo é a relação entre a rêmora e o tubarão (imagem acima) a rêmora se alimenta de restos alimentares do tubarão. 


Inquilinismo

 Mutualismo, simbiose e protocooperação





Parasitismo

  O parasitismo é uma  relação não harmônica e interespecífica; parasitas são organismos que em algum momento de seu ciclo de vida habitará o corpo de outro organismo e que são potencialmente capazes de causar dano ao hospedeiro.  Exemplo desse tipo de relação é o carrapato e o gado (imagem abaixo).

Fonte: www.agrogushi.com.br/controle-do-carrapato-no-ms


     O dano ao hospedeiro em si pode ser decorrente; de estruturas que esses parasitas tem para fixação, sucção, ou devido ao movimento para capturar alimento ou ainda por consumir o alimento/nutriente do hospedeiro (ocorre quando há alta carga parasitária em um único hospedeiro).






terça-feira, 14 de setembro de 2010

Abiogênese X Biogênese

       Abiogênese: o prefixo "bio" significa vida, a letra "a"  no início vem negar o restante da palavra, ou seja, não há vida e gênese significa origem. Em biologia esse termo é usado para definir a origem da vida a partir de algo que não possui vida (matéria inanimada). Essa era uma teoria sugerida por alguns cientistas do passado como por exemplo: Xenófanes, Demócrito, Anaximandro, entre outros tantos. Também ficou conhecida como geração espontânea na qual eles acreditavam que existia um "princípio ativo" em algumas porções de matéria inanimada formando assim um organismo vivo. Essa teoria não tinha embasamento empírico (comprovação a partir de experimentos) era quase que uma sugestão tipo: eu acho que. 
    Biogênese: nessa teoria a vida surge a partir de matéria viva. Por exemplo, o surgimento de larvas na comida ocorrem porque moscas depositaram ovos nela. Francesco Redi (1626-1691) foi um dos pioneiros a fazer esse tipo de pesquisa  partindo de um embasamento científico (observação, hipótese e comprovação através de experimentos). 
     Outro cientista que colaborou com a teoria da biogênese foi Louis Pasteur, ele fez experimentos na segunda metade do século XIX, usando um caldo nutritivo e estéril (fervido anteriormente) dentro de frascos de vidro, um frasco possuía o gargalo (em forma de pescoço de cisne) e o outro frasco o gargalo foi quebrado, no primeiro frasco não houve crescimento de micróbios já no segundo houve crescimento de microrganismos. Levando a conclusão que uma vida surge de outra pré-existente e que o gargalo em forma de cisne mantinha o líquido isolado da poeira contendo micróbios, e que a falta desse gargalo permitiu que a poeira caísse sobre o caldo contaminando-o.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Insetos bioindicadores

       Alguns trabalhos revelaram que a diversidade de insetos em uma determinada região indica que este ambiente está bem conservado. Principalmente à presença de Coleopteras (os besouros), formigas e borboletas, e recentemente tem trabalhado com libélulas.  Não se trata de mudanças drásticas, pequenas alterações no ambiente pode comprometer a vida desses animais. A simples presença de libélulas no local indica à presença de água não contaminada ou com índice de contaminação baixo (esses insetos vivem enquanto larva na água e é aonde os indivíduos adultos vão depositar seus ovos, outros indivíduos depositam seus ovos em plantas, mas que margeiam rios, lagos, lagoas, etc). 
    O uso de agrotóxico demasiadamente pode ocasionar a morte de uma determinada população de insetos. Enquanto que os animais que sobrevivem servem como bioindicadores ou biomonitores. Após a aplicação de agrotóxico os sobreviventes passam a se comportar de maneira diferente àquela comum para à espécie. 

Região Oriental

    A região oriental se caracteriza por conter a cordilheira do Himalaia, o planalto do Decã e a planície Indo-gangética. A região do subcontinente indiano na região oriental possui grandes cordilheiras, desertos, deltas imensos e rios de grande porte. A região do sudeste asiático na região oriental é caracterizada por baixos planaltos e planícies, banhados pelo Irrawaddy e o Mekong, o mais importante rio da Indochina. Toda a região oriental é sujeita aos regimes de monções. Também são encontrados nessa região os climas tropical, semi-árido, desértico e equatorial. Suas principais formações vegetais são as florestas pluvial tropical e subtropical e floresta estacional (savana). 
     Sendo as florestas pluviais tropicais e subtropicais formadas por significativos índices pluviométricos com grandes variedade de espécies, e as florestas estacionais (savanas), sendo reconhecida por sua vegetação arbustiva, com espécimes característicos, como: o pequizeiro e o buriti. As principais espécies animais que identificam a região são: o gibão, um antropomorfo, sem cauda e com braços longos, originários do sudeste asiático; o mangusto, mamífero terrestre, diurnos e sociais; o orangotango, que é um símio de grande porte e de notável inteligência; o társio, mamífero primata; e o tigre, vivendo em mananciais e se alimentando de grandes mamíferos.
 

Região Neotropical parte2

        A Região neotropical abrange desde a parte sul da América do Norte até a América do Sul, incluída aí a América Central. Essa região é dotada de uma grande gama de sub-regiões com habitats dos mais diversos e flora e fauna muito diversificada. Na região neotropical são encontradas formações vegetais, tais como: alta montanha, floresta pluvial tropical e subtropical, floresta estacional e savana (cerrado), formações herbáceas (pradarias), desertos e formações de região semi-árida. Nesse conjunto de formações vegetais, há regiões muito densas e com vasta diversidade de espécies, como a floresta pluvial tropical e subtropical, e outras com menos variedade de espécies. 
     Para citar essas regiões, têm-se: as formações herbáceas, também conhecidas como pradarias, que são encontradas em climas temperados nas Grandes Planícies Americanas, nos Pampas Argentinos, no Uruguai e na região sul do Brasil. Grande parte da região neotropical é ocupada pelas florestas tropicais e subtropicais, que são extremamente diversificadas. As espécies animais características da região são: a anta, que ocorre desde a Colômbia até a Argentina; a capivara, que é o maior roedor do mundo, de região semi-aquática; o tamanduá bandeira, nativo da América do Sul e Central; a jaguatirica, ocorrendo do sul do EUA até o sul do Brasil e na Argentina; a lhama, que habita cordilheiras e altiplanos andinos; e o tucano, que é característico das florestas da América Central e do Sul.



Região Neotropical parte 1

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Região Australiana

 A região australiana constitui a biogeografia da Indonésia Oriental, de Nova Guiné e da Nova Zelândia, na qual a Austrália corresponde a maior parte dessa região biogeografia. Mais da metade da Austrália é formada por deserto tendo flora e fauna característica de clima desértico ( vegetação xerófila e animais que possuem adaptações para capturar água, para armazenar e para não perdê-la facilmente) . A faixa de terra que sai do noroeste até o nordeste australiano ( local onde se concentra a maior parte da população australiana) possui clima subtropical. A porção extrema do sudeste e a porção extrema do sudoeste possuem clima temperado mediterrâneo .
A Indonésia Oriental e a Nova Guiné possuem clima equatorial ocorrendo nessa região florestas equatoriais com grande diversidade na flora e na fauna, típica de florestas equatoriais. A Nova Zelândia e a ilha da Tasmânia (Austrália) possuem clima temperado oceânico, apresentando florestas temperadas. Essa região biogeográfica também é conhecida por possuir ecossistemas únicos, marcados pela presença de animais exóticos como é o caso do ornitorrinco (mamífero que possui bico e plumagem), canguru, serpentes marinhas, coalas, entre outros animais.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Região Etiópica

A região etiópica está distribuída ao longo do continente africano, a partir do deserto do Saara e também o centro-sul da Península Arábica. Essa região possui uma grande variedade de biomas, devido a variação do clima, desde o deserto com clima árido e semi-árido ( região norte do continente). Próximo da linha do equador há florestas equatoriais. As oscilações da temperatura nessa região são mínimas e as temperaturas médias anuais situam-se entre 24 °C e 27 ° C, diferente do que ocorre no deserto onde as temperaturas médias anuais ficam acima de 30 °C e há uma grande oscilação ao longo do dia.
Existe ainda o clima tropical, onde ocorrem florestas tropicais e subtropicais, que são habitadas por grandes gorilas, e as savanas que existem (hábitat de leões, zebras, girafas, elefantes, entre outros animais), tanto na porção abaixo quanto na porção acima da linha do equador, a oscilação térmica nessa região é maior que na região equatorial. Outra característica é a presença de duas estações bem definidas (estação seca e a estação úmida). A faixa de terra que fica abaixo do Trópico de Capricórnio possui clima temperado. O verão é quente e no inverno a temperatura varia entre 5° C e 10°C, a vegetação é semelhante ao maquis europeu. Quanto ao relevo desse continente é formado por grandes planícies e vales, dunas de areia, e alguns montes (o mais alto é o monte Quilimajaro com 5.899 m). 

domingo, 5 de setembro de 2010

Região Antártida

    A região Antártida ou região Antártica é formada pelo continente Antártico e ilhas que estão em volta, essa área imensa é  quase completamente coberto de gelo. É o continente mais frio, mais seco, a temperatura média na costa é de -10 C°, no verão. Porém a temperatura média vem subindo devido ao aquecimento global. Até pouco tempo era considerado como um grande deserto polar, porque não era habitado por humanos (exceto nas bases de pesquisas que se instalaram na região).
    Todavia este termo está quase extinto, porque apesar das baixas temperaturas o ano todo há flora e fauna estabelecida (claro que a baixa temperatura não contribui para a diversidade de animais e vegetais), por isso as plantas que ocorrem na região são musgos e hepáticas adaptados ao frio, além de algas, liquens e protistas. Os habitantes famosos são o krill, um tipo de crustáceo que fica nas águas em volta do continente gelado e serve de alimento para baleias, focas, moluscos, pinguins, entre outros animais). As aves presentes nessa área são pinguins, albatrozes, petréis ( o pinguim-imperador e o pinguim-de-adélia são habitantes permanentes). 

sábado, 4 de setembro de 2010

Região Paleártica

     Região Paleártica é a grande área biogeográfica que inclui a Europa, Norte da África, grande parte da Arábia e a Ásia ao norte do Himalaia.  Essa região possui clima temperado e frio ao longo do continente europeu e norte do continente Asiático (Rússia) o relevo é acidentado ocorrendo os "Alpes", mas há também regiões   com grandes depressões. Todavia o norte da África, a Arábia e Ásia (norte do Himalaia) apresentam clima árido ou semi-árido. A fauna e a flora dessas últimas regiões são características de deserto (cactáceas, répteis adaptados ao calor, dromedários).   

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Região Neotropical parte 1

      Essa região compreende o sul do México, penísula da Baja Califórnia, o sul da Flórida, a América Central, Ilhas do Caribe e América do Sul. É a região biogeográfica com a maior biodiversidade. A parte norte-americana (EUA e México) é conhecida  pelas praias quentes, atualmente essa região sofreu um grande desastre ambiental devido ao vazamento de um poço de petróleo. 
      Essa grande área possui biomas riquíssimos como por exemplo a Amazônia. Nessa região é possível encontrar desde o maior besouro do mundo ( Titanus giganteus L.) que pode chegar a 22 cm de comprimento, até grandes mamíferos como por exemplo o peixe-boi-da-amazônia, animal nativo do rio Amazonas, e a onça-pintada. Além desses grandes mamíferos existem grandes répteis (jacaré-açu) que chega pesar meia tonelada e medir mais de 5 metros. 
  No Brasil existem ainda outros grandes biomas (cerrado, mata atlântica,caatinga, pampas e pantanal) os três primeiros já perderam a maior parte da sua área original, mesmos assim são biomas importantes, pelo fato de que grande parte de sua fauna serem exclusivas, ou seja, só existem lá. O pantanal é uma área que fica alagada o ano inteiro. As grandes monoculturas que chegaram nessa região, atraídas pela existência de grandes planícies. Têm destruído a flora e por consequência banido a sua fauna. Uma das espécies endêmicas mais conhecida é a arara-azul, que está ameaçada de extinção devido a caça e a destruição do seu habitat. Os pampas ocorrem no sul do Brasil são campos utilizados na agropecuária, a terra é bastante fértile o clima é subtropical com temperaturas amenas. 
     Na Argentina e no Chile existe a Patagônia, com a cordilheira dos Andes (cadeia de montanhas). Nessa região o clima é semi-árido e árido, com temperaturas baixas ( em média 12 C°). A medida que se aproxima do continente Antártico a fauna vai ficando semelhante à Antártica (presença de foca, leão-marinho, e pinguins). 



quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Região Neoártica

       A região biogeográfica neoártica ou neática inclui a América do Norte e Groelândia. No  México ocorre a transição entre as regiões biogeográficas Neoártica e Neotropical.  Tendo florestas temperadas e com baixa variedade de espécie e diminuindo cada vez mais a medida que se aproxima do círculo polar Ártico (Norte do Canadá). Os Estados Unidos devido sua maior proximidade da região Neotropical e da linha do Equador, na qual a incidência de luz solar é mais intensa do que no Canadá e na Groelândia. Existe uma maior diversidade de plantas e animais, já que, um está estreitamente ligado ao outro. O relevo é bastante misto, cadeias de montanhas que saem dos EUA, e que vão até o Canadá, planícies e depressões desérticas. Os EUA tem uma fauna e flora bem diversa incluindo; aves, anfíbios, répteis, mamíferos, peixes, e invertebrados de diferentes grupos, já o Canadá e a Groelândia nem tanto, vou dá alguns exemplos daqueles que são considerados símbolos da região: o urso polar  Ursus maritimus, o urso-pardo Ursus arctos, o boi almiscarado Ovibus moschatus, o caribu Rengifer tarandus, a águia careca Haliaeetus leococephalus (símbolo americano, está na bandeira dos EUA), o castor Castor fiber, o aligátor Alligator mississippiensis...quanto a vegetação, algumas das árvores símbolos: as sequoias gigantes, e a "maple" que sua folha está inserida na bandeira do Canadá, há várias espécies e é bem comum no Canadá. 

PlanetaBrasileiro